Não é de hoje que as mulheres têm ocupado cada vez mais espaço em lugares que eram majoritariamente ocupados por cargos masculinos. Com expressividade, luta e muita força, as mulheres alcançam e conquistam a cada dia seus espaços. No campo não é diferente.
Nós conversamos com a produtora rural Fabiana Venzon, que tem uma propriedade em Passo Fundo. Ela conta sobre sua carreira, as dificuldades e o protagonismo da mulher no campo.

Quem é a Fabiana? Como começou a sua relação com o agro, com o campo?

Fabiana Venzon – Sou filha de produtores rurais e cresci no campo, desde cedo ajudando nos trabalhos que envolviam a propriedade. Toda a minha família tem ligação direta com o campo, mas quando adolescente decidi que queria estudar e seguir outro rumo, me formei e trabalhei em diversas áreas, como banco, empresas e até no setor público. Meu retorno ao campo se deu através de uma oportunidade de investimento, e a partir daí começou o meu envolvimento direto com a atividade.

Você tem formação na área administrativa, com MBA em Gestão Empresarial e Gestão Estratégica de Agronegócio. Como foi a decisão de investir nisso na sua formação?

Fabiana – Acredito muito que o conhecimento é determinante no sucesso de qualquer carreira, e no agro não é diferente. O fluxo de informações diárias é elevado e não basta termos acesso a informação, mas saber como utilizá-las é essencial para obtermos bons resultados. Uma propriedade rural deve ser administrada como uma empresa: Não tem como ter sucesso se você não conhece os números. Saber exatamente o seu custo, ter planejamento de longo prazo, estar sempre de olho no mercado e no clima e a partir daí ter uma perspectiva de receita média. Nem sempre conseguiremos vender os produtos no melhor preço, mas o importante é ter uma boa média de vendas no ano. Se soubermos fazer isso, os investimentos serão conscientes e dentro da capacidade de pagamento, e servirão para o crescimento em vez do endividamento como vemos muitas vezes.

Quais as suas funções hoje na propriedade que administra?

Fabiana – Sou a proprietária administro a parte financeira e a gestão. O planejamento é feito em parceria com meu irmão Marcelo, que é responsável pela parte técnica e tem um grande conhecimento da parte prática. Discutimos sempre as necessidades e quais as melhores alternativas para cada caso. Ë uma parceria forte, nos complementamos.

Você chegou a sofrer algum preconceito ou descrença no teu trabalho e na tua função por ser mulher?

Fabiana – De certa forma sim, mas nunca declarado, sempre de forma velada e especialmente no início. Hoje não sinto mais isso e também não me importo. Procuro sempre fazer meu trabalho da melhor forma, não me preocupo em agradar, mas em fazer certo e fazer bem.

Como você enxerga hoje o protagonismo da mulher no campo?

Fabiana – Vejo que tem crescido de forma contundente, assim como em todas as áreas da economia. Nós, mulheres temos uma capacidade nata de liderança e gestão, pois somos antes de tudo donas de casa e mãe. Precisamos administrar as contas da casa, alimentação da família, a escola dos filhos, a saúde, a vida prática do dia a dia, e ainda exercer nossa profissão,isso nos faz multifocais e capazes de administrar as mais diversas situações sempre de forma conciliadora e eficiente. Acredito que essa capacidade tem feito com que as mulheres assumam cada vez mais o protagonismo no campo e na sociedade como um todo.

 

Compartilhe esse post!