Um dos fundamentos da Agricultura de Precisão (AP) é o conhecimento da variabilidade espacial da capacidade produtiva do solo, a qual permite ajustar a população de sementes à oferta específica de ambientes homogêneos no talhão, incrementando a produtividade da cultura e o retorno econômico da lavoura.

Aplicações de fertilizantes e corretivos à taxa variável são comumente utilizadas pelos usuários de AP sendo observadas lavouras visualmente mais homogêneas e com produtividades superiores ao manejo tradicional. Este fato foi um dos principais responsáveis pela grande aceitação da nova tecnologia junto aos agricultores brasileiros e seus assistentes técnicos.

Entretanto, a variabilidade espacial da produtividade acentua-se em anos com instabilidade climática, resultado atribuído à amplificação das variações de oferta ambiental no talhão. Assim, um estresse hídrico não é percebido pelas plantas na mesma intensidade em todo o talhão, tendo efeito mínimo em alguns ambientes e efeito acentuado em outros. Desse modo, na impossibilidade de eliminar a variabilidade espacial da lavoura, pode-se alternativamente buscar uma população de plantas que proporcione produtividade ótima para cada região dentro de um talhão.

De acordo com Alan Acosta, Engenheiro Agrônomo e Doutor em Ciência do Solo e atual CEO da Drakkar “o ano de 2015 foi especial para a equipe de P&D da Drakkar, pois criamos e testamos o primeiro Mapa Diagnóstico de Recomendação de Semente, que mede o potencial produtivo dos talhões e sugere uma pré-recomendação de variação, que deve ser ajustada de acordo com a cultivar, época e condições de umidade de plantio”.

Ainda, segundo ele, os primeiros estudos desta tecnologia em áreas comerciais apresentaram ganhos de 5 a 10% de produtividade, isso que ainda estamos aferindo sistema de recomendação. Atualmente, a Drakkar está conduzindo diversos ensaios pioneiros no Rio Grande do Sul e Mato Grosso em parceria com  produtores: “Neste trabalho, além de desenvolvermos algoritmos para a distribuição de sementes, realizamos uma contagem de plantas posterior ao plantio, e  mapeamos com precisão a colheita. Com os resultados de correlação, já estamos extremamente empolgados com as informações que esse projeto está nos trazendo. Não há dúvida de que a taxa variável de semente será uma das principais ferramentas da Agricultura de Precisão nos próximos anos”.

 

Fonte: Mais Soja

Compartilhe esse post!