Durante todo o mês de outubro, o mundo veste rosa como uma forma de alertar a população sobre os riscos do câncer de mama. O principal alvo da mobilização social são as mulheres, mas a ação também é importante para a saúde animal: estima-se que a incidência de câncer de mama em cadelas seja de 45%, e que aproximadamente 30% das gatas sejam diagnosticadas com a doença.

A redução desses números depende da atenção e do cuidado dos proprietários dos animais. Como forma de ajuda-los a zelar pela saúde de seus amigos de quatro patas, médicos veterinários de todo o país se uniram numa Campanha Nacional de Prevenção Contra o Câncer de Mama em Animais de Companhia.

A iniciativa tem o apoio do Conselho Federal de Medicina Veterinária (CFMV). Em alguns locais por onde a campanha passar serão distribuídos folders elaborados pelo CFMV e que tratam da relação entre a saúde humana, animal e do meio ambiente – Saúde Única.

A iniciativa tem o objetivo de educar a população sobre os riscos da doença, além de facilitar o acesso dos proprietários de animais às medidas de prevenção contra o câncer.

A prevenção do câncer de mama em animais começa em casa, na verificação que pode ser feita pelo proprietário do animal. Periodicamente, o proprietário deve posicionar o animal de barriga para cima de modo que seja possível examinar todas as mamas, apalpando e verificando a presença de nódulos ou qualquer aumento de volume.

“Queremos esclarecer, orientar o proprietário sobre esse exame e explicar a respeito de prevenção”, ressalta médica veterinária Gleidice Lavalle, do serviço de oncologia da Escola de Veterinária da Universidade Federal de Minas Gerais (UFMG) e uma das responsáveis pela iniciativa.

“No caso de qualquer detecção de alteração pequena, os tutores já podem procurar o atendimento de um médico veterinário”, alerta a profissional.

Alerta
O proprietário deve ficar alerta para o aparecimento das lesões, que podem ser únicas ou múltiplas. As neoplasias têm tamanhos variando de milímetros a vários centímetros, e podem acometer uma ou mais glândulas. O exame feito por um médico veterinário vai revelar se o tumor é benigno ou maligno. Quanto antes for feito o diagnóstico, maiores as chances de cura para o animal.

Os médicos veterinários se mantêm atentos para o problema. “Já é tradicional examinar as glândulas mamárias, independente da doença que o animal apresente. É a nossa preocupação tentar estabelecer o diagnóstico precoce, independente da queixa do proprietário”, explica o médico veterinário e professor da Universidade Estadual Paulista Júlio de Mesquita Filho (Unesp), Andrigo Barboza de Nardi.

O cuidado é recomendado a todas as fêmeas, principalmente com as mais velhas. “O Câncer é uma doença que acontece de forma mais frequente em indivíduos mais velhos”, esclarece Nardi.

“Temos percebido um aumento da incidência de tumores em cadelas e gatas em geral, e uma das razões é o aumento da expectativa de vida. Atualmente, graças ao uso de vacinas, da prevenção de doenças infectocontagiosas, a uma boa alimentação e aos cuidados regulares dos médicos veterinários, cães que viviam 10 ou 12 anos hoje vivem até 20 anos. Isso está diretamente ligado ao aparecimento das lesões”, aponta o médico veterinário.

O material de divulgação da campanha conta com informações explicando que os animais que não foram castrados ainda no início da vida fértil também correm mais risco de desenvolver tumores. Quando castrada antes do primeiro cio, as chances de uma cadela desenvolver a doença caem significativamente. Nas gatas, a castração precoce reduz em 91% as chances de desenvolvimento de lesões de mama.

 

Fonte: Agro Link