Diversos institutos de meteorologia estão apontando um La Niña fraco para a próxima safra, garante a meteorologista da Somar, Desirée Brandt, durante o 1º Fórum do Projeto Soja Brasil deste ano, que acontece em Cascavel (PR). Esse fenômeno deve ajudar algumas regiões brasileiras, entre elas a conhecida como Matopiba, com chuvas mais regulares e volumosas. O clima pode até não ser o ideal, mas poderá ajudar os produtores do Nordeste.

Segundo ela existe também a previsão de uma época de neutralidade climática. Outros institutos, como o da Austrália, até apontam para um aquecimento que seria um indicativo de El Niño no início de 2017, mas nada confirmado ainda e mesmo assim ele não trará nenhum impacto para esta safra de soja.

Já as regiões Sudeste e Centro-Oeste, as chuvas podem demorar para se regularizar, entretanto assim que se configurarem serão mais frequentes. “Dificilmente teremos longos períodos de estiagem como vimos na safra passada. Ou seja, acredito em um cenário climático positivo para o Nordeste e Centro-Oeste. Já o Sul pode sofrer um pouco mais, mas, como choveu bastante por lá nesta safra, pode ser que o impacto da estiagem esperada não seja tão forte”, garantiu ela.

Fonte: Projeto Soja Brasil

Compartilhe esse post!