Desde a última semana, as cotações do arroz em casca iniciaram uma fase de crescimento. Na última sexta-feira (14), o valor da saca de 50 kg chegou a R$ 34,42, índice superior aos meses de maio e junho, os quais tiveram queda considerável. As informações são do Cepea/Esalq da Universidade de São Paulo (USP).

Uma das explicações para a reação se deve à retração das vendas por parte dos produtores nos meses anteriores, aumentando a demanda pelo grão nesse momento. Segundo o presidente da Federarroz, Henrique Dornelles, isso vinha sendo planejado pela entidade desde o mês de maio:

– O estoque de vendas de maio foi consumido pelas indústrias, que agora precisam ir às compras, contribuindo para o aumento das cotações – explica Dornelles.

Outro motivo é o financiamento dado para a negociação dos alongamentos de custeio trabalhados pelas entidades do setor, principalmente com o Banco do Brasil, responsável por 60% do financiamento da safra de arroz no Rio Grande do Sul. Com isso, os produtores não precisaram negociar com pressa e tiveram mais tempo para esperar a melhora nas cotações do grão.

Outro fator que vai contribuir ainda mais com a alta nas cotações serão as exportações. Segundo Dornelles, já existe uma perspectiva de aumento nos carregamentos de arroz no Porto de Rio Grande, números a serem divulgados no final do mês de agosto.

– Hoje vivemos outra situação para escoar o arroz, pois há a percepção de que a exportação do grão não é um movimento esporádico, mas sim algo consolidado e que os produtores dependem desta movimentação para alavancar os preços – complementa o presidente da Federarroz.

As informações são do portal oficial da Federarroz.