A consultoria Céleres realizou o primeiro acompanhamento da safra 2015/2016 de soja e indicou o nono aumento consecutivo da área destinada à cultura, que deve alcançar 32,2 milhões hectares, um incremento de 2,3% em relação à superfície plantada na safra passada.

Apesar da perspectiva de baixa para as cotações internacionais no decorrer de 2016 e dos custos mais altos para o plantio, a expansão da área desta temporada se deve à manutenção da rentabilidade da soja, garantida pela desvalorização do real.

Considerando a tendência dos últimos 15 anos, a produtividade é projetada em 3,02 tonelada por hectare, 1,2% menor que em 2014/2015. Vale lembrar que devido ao atraso das vendas do milho de inverno e da liberação dos recursos subsidiados, parte dos produtores ainda não adquiriu o pacote tecnológico para a próxima safra, logo, além de fatores climáticos, o grau de tecnologia a ser utilizado em 2015/2016 deve impactar nos ajustes dos números de produtividade daqui para frente.

A produção esperada para a safra 2015/2016 deverá ser de 97 milhões toneladas, avanço de 1,2% na comparação com a safra anterior. Segundo o estudo, a depender do favorecimento das condições climáticas, não seria improvável que a produção brasileira em 2015/2016 chegasse, finalmente, à marca dos 100 milhões toneladas.

Os principais fatores de estímulo ao plantio nesta temporada deverão ser a situação do cambio, que manterá a remuneração dos produtores; e a falta de opções mais lucrativas para o plantio no verão.

 

Fonte: Céleres