O Ministério da Agricultura, Abastecimento e Pecuária informou nesta segunda-feira (6), que um grupo de técnicos japoneses virá ao Brasil visitar laboratórios, frigoríficos e fazendas. O objetivo do governo japonês é fiscalizar a produção da carne bovina termoprocessada e, tendo aprovação, retomar a compra da carne brasileira a partir de agosto. Desde 2012, o Japão mantém um embargo ao produto brasileiro em função de um caso atípico de vaca louca.

Segundo o ministério, a medida representa um avanço nas negociações entre os dois países. A ministra Kátia Abreu está no Japão, onde cumpre uma extensa agenda de trabalho. Além de negociar a ampliação do comércio com o Brasil, Kátia Abreu busca a parceria dos japoneses para projetos como o Programa de Investimento em Logística (PIL).

Foto: Priscilla Mendes/Mapa

 

As autoridades japonesas receberam documentos de análise de risco e dentro de 30 dias devem abrir uma consulta pública. Em nota, a ministra afirmou que espera que a as barreiras à exportação de carne bovina termoprocessada sejam derrubadas até agosto. Kátia Abreu informou ainda que trabalha pela liberação da carne bovina in natura até dezembro, quando a presidente Dilma Rousseff visitará o Japão. Segundo o ministério, esse produto nunca teve acesso ao mercado japonês.

A ministra da Saúde, Trabalho e Bem-Estar do Japão, Keiko Nagaoka, que cuida das barreiras sanitárias relacionadas a doenças transmissíveis ao homem, disse que encaminhará o assunto de forma “proativa”. “Hoje trocamos muitas informações importantes em nível técnico. Gostaríamos de dar andamento a essa discussão de forma proativa e continuar com a discussão para liberar a importação de carne”, disse Nagaoka em reunião com a comitiva brasileira.

“Sabemos da preocupação do Ministério da Saúde. Por isso, queremos, com muita compreensão, que o governo japonês conheça de fato o sistema brasileiro de defesa, porque temos certeza que eles eliminarão suas preocupações”, reitera a ministra brasileira em nota.

 

Fontes: Valor Econômico | G1