No primeiro semestre do ano, o Sistema Campo Limpo – logística de descarte de embalagens vazias de agrotóxicos – destinou de forma ambientalmente correta 24,6 mil toneladas de embalagens de defensivos agrícolas pós-uso em todo o país. 8,5% a mais comparado ao mesmo período em 2014.

A análise, realizada pelo Instituto Nacional de Processamento de Embalagens Vazias (inpEV), mostra que Santa Catarina, Pará e Mato Grosso do Sul obtiveram maior crescimento percentual na quantidade destinada. Já as cargas mais volumosas saíram do Mato Grosso, Paraná, Rio Grande do Sul, Goiás, Bahia e Minas Gerais. Juntos, eles correspondem a 75% do total destinado.

Desde o início das operações do Sistema Campo Limpo, em 2002, até o momento já foram destinadas mais de 330 mil toneladas do material. A iniciativa gera resultados positivos para o meio ambiente e sociedade. Ela permitiu, por exemplo, que 447 mil toneladas de CO2 deixassem de ser emitidas – volume corresponde a um milhão de barris de petróleo que deixaram de ser extraídos.

Para compartilhar com a sociedade esses resultados e benefícios gerados pelo sistema, no dia 18 de agosto é comemorado o Dia Nacional do Campo Limpo. Em 2015, a celebração reunirá milhares de pessoas em todo o país. Saiba mais no site da inpEV.

 

Manejo das embalagens

foto facebook reprodução 2As embalagens de defensivos agrícolas são classificadas em dois grandes grupos: laváveis e não laváveis. As embalagens laváveis são rígidas (plásticas, metálicas ou de vidro) e servem para acondicionar formulações líquidas para serem diluídas em água.

Entre as embalagens rígidas, as plásticas predominam. As metálicas, geralmente representadas pelos baldes de folha de aço, representam apenas 10% de todo o volume de embalagens de defensivos agrícolas no Brasil. As embalagens plásticas diferem quanto ao tipo de resina utilizado em sua produção, saiba mais aqui.

 

Centrais de recebimento

O Sistema Campo Limpo reúne mais de 400 unidades de recebimento, entre centrais e postos, distribuídas em 25 estados e no Distrito Federal. Essas unidades são geridas por associações e cooperativas, na maioria dos casos com apoio do inpEV. As unidades de recebimento devem ser ambientalmente licenciadas para o recebimento das embalagens e são classificadas como postos ou centrais conforme o porte e o tipo de serviço efetuado.

De acordo com a Resolução 334 do Conama, os postos de recebimento de embalagens vazias de defensivos agrícolas devem ser licenciados ambientalmente e ter, no mínimo, 80m² de área construída. São geridos por uma Associação de Distribuidores ou Cooperativa, saiba mais aqui.

 

Fonte: Notícias Agrícolas

Compartilhe esse post!