O Rio Grande do Sul e Santa Catarina devem receber, na próxima semana, o certificado de área livre de Peste Suína Clássica (PSC) da Organização Mundial de Saúde Animal (OIE). Uma comitiva de autoridades e representantes dos dois estados irá comparecer à 83ª Assembleia de Delegados, que começa no dia 24 de maio em Paris. É a primeira vez que a OIE reconhece zonas e países livres da doença.

O fato histórico tem alta relevância para a produção sulista de carne suína. Vale lembrar que Rio Grande do Sul e Santa Catarina são responsáveis por quase 70% das exportações brasileiras do produto. No estado gaúcho, a cadeia movimentou, em 2014, mais de U$ 13 bilhões. Para alcançar a certificação de área livre de PSC, foi realizado um trabalho conjunto entre os setores público e privado desde o início dos anos 1990.

Atualmente, 15 estados e o Distrito Federal são reconhecidos nacionalmente como áreas livres da doença. São eles: Acre, Bahia, Distrito Federal, Espírito Santo, Goiás, Mato Grosso, Mato Grosso do Sul, Minas Gerais, Paraná, São Paulo, Rio de Janeiro, Rio Grande do Sul, Roraima, Santa Catarina, Sergipe e Tocantins. A partir da próxima semana, RS e SC terão reconhecimento internacional.

Doença

A PSC é uma doença viral que atinge os suínos (e outros animais da espécie suídea, como javalis) com alto índice de mortalidade. A enfermidade provoca sintomas como febre alta, paralisia nas patas traseiras, manchas avermelhadas pelo corpo, hemorragias e dificuldades respiratórias.

Fonte: Canal Rural