O programa Mercado da Terra entrou no ritmo do feriadão e trouxe para os telespectadores do Canal Rural uma possibilidade de investimento em turismo rural: uma propriedade de 1.013 hectares em Corguinho, Mato Grosso do Sul.

Com estrutura de hotel-fazenda, a área possui uma sede belíssima, açudes, represa, duas casas para funcionários, galpão, mangueiro completo e água natural. A principal atividade é a pecuária, e a qualidade do solo e das pastagens impressionam – o solo é misto e o capim brachiaria brizantha tem boa produção e germinação.

Newton Cavalcanti, consultor da Nilo Imóveis, destaca a viabilidade logística da fazenda, que fica a 42 quilômetros da cidade de Corguinho e a 80 quilômetros da capital Campo Grande:

– A logística facilita tanto para a criação de gado quanto para a exploração de turismo rural. Foi feito um estudo pelo Instituto de Pesquisa Econômica Aplicada (Ipea), e o ecoturismo é hoje o segundo principal interesse dos turistas de lazer – só perde para a praia. E a propriedade de Corguinho está totalmente dentro desse do contexto. Além de estar na entrada do bioma Pantanal, está em cima da Serra de Maracaju, com vista para belíssimas planícies do Pantanal. Ou seja: está no local ideal para o ecoturismo internacional – finaliza o especialista.

A fazenda possui 20% de reserva legal averbada e já está com o Cadastro Ambiental Rural (CAR) em dia.

A segunda opção de negócio apresentada no Mercado da Terra desta sexta-feira fica na cidade de Água Boa, região nordeste do Mato Grosso, e possui 1.508 hectares. Segundo Celso Blemer, especialista em comercialização de imóveis rurais, a propriedade tem ótima estrutura para a pecuária comercial e o cultivo da soja, facilitando a integração lavoura-pecuária.

São cerca de 700 cabeças de gado – entre vacadas e bezerros -, 1.100 hectares formados com capim braquiarão e destes, 940 direcionados à soja. Quanto à estrutura física da fazenda, possui sede principal, três casas para funcionários, galpão de zinco para maquinários, curral de madeira completo (com brete e balança eletrônica), curral simples e caixa d’água com 20 mil litros.

A área conta ainda com seis represas para o gado, nascentes e 16 divisões de pasto. Para Blemer, “a dupla aptidão da fazenda deve-se graças à pastagem bem formada e ao rodízio nos pastos”. O consultor também ressalta que a propriedade possui georreferenciamento e 35% da reserva legal averbada na matrícula.

E se o clima e o tempo no Mato Grosso favorecem o cultivo da soja, a logística também é uma grande aliada para o investidor interessado em adquirir a fazenda em Água Boa. Somente 18 quilômetros separam a propriedade do município de Água Boa, e as estradas são cascalhadas. Além disso, as terras ficam às margens da BR-158 e próximas a unidades de abate e armazenamento de grãos.