O Centro-Oeste brasileiro tem se destacado no cenário do cavalo Crioulo em todo o Brasil. Em 2014, conforme dados da Associação Brasileira de Criadores de Cavalos Crioulos (ABCCC), a região teve um crescimento de 12,3% no plantel, chegando a 6,67 mil animais.

Percentualmente foi o maior crescimento entre as regiões brasileiras, sendo que no país, no ano passado, a evolução foi de 7,3%. Neste cenário, o Mato Grosso do Sul foi o estado do Centro-Oeste que teve maior destaque. A alta na manada de equinos da raça Crioula foi de 14,6%, chegando a 2,38 animais no território sul-mato-grossense.

Para Rafael Sant’Anna, técnico da ABCCC que atende a região, muito se deve ao investimento dos criadores que buscam animais de qualidade para participar das exposições morfológicas que são realizadas pelo núcleo no estado.

– Com as exposições morfológicas que começaram a acontecer, os criadores procuraram elevar o nível dos animais na região. A busca por animais com correção de linhas morfológicas e consistência genética vem crescendo – observa.

Mas um dos principais usos do cavalo Crioulo na região tem sido para a criação de gado. Com grandes áreas destinadas à pecuária extensiva no Centro-Oeste, a procura por exemplares da raça é crescente devido à rusticidade e resistência do animal, indicada especialmente para o trabalho no campo.

Segundo o vice-presidente de Comunicação e Marketing da ABCCC, Onécio Prado Junior, o Mato Grosso do Sul é um mercado importante e estratégico e que o consórcio com as raças bovinas, principalmente o Nelore, vem sendo aprovada pelos criadores.

– O Mato Grosso do Sul é um mercado com grande potencial de crescimento da raça Crioula. É um estado que tem uma pecuária extensiva muito forte – ressalta.

Prado Junior destaca também a organização dos criadores sul-mato-grossenses que já trabalham com grandes plantéis. Esta estruturação, conforme o dirigente, ajuda no crescimento a passos largos do cavalo Crioulo no estado. A ideia é promover outras modalidades a partir dos próximos anos, além das provas de laço que já são uma febre entre os criadores.

– O Mato Grosso do Sul é um dos grandes mercados para sedimentar o cavalo Crioulo. Este ano, acredito que a gente consiga elevar ainda mais estes números – avalia o vice-presidente da ABCCC.

Fonte: Canal Rural