Em quatro dias de feira, foram 16.321 visitantes, compradores de mais de 10 países nas Rodadas de Negócio, 4.500 participantes no Fórum de Segurança Alimentar e mais de cem expositores nos 22 mil m² de evento.

A quarta edição da Expoarroz, que aconteceu no Centro de Eventos de Pelotas, Rio Grande do Sul, superou as expectativas de prospecção de negócios e consolidou seu papel de espaço aglutinador da cadeia produtiva do setor orizícola. A avaliação foi apresentada pelo coordenador do evento, Fernando Estima, no encerramento da feira, sexta-feira passada.

“Cumprimos nossa missão de aproximar compradores e produtores e criar ambiente propício para a prospecção e realização de negócios, apesar das turbulências do cenário econômico brasileiro. Foi uma feira acima da média”, sustentou Estima. Segundo o coordenador, a Expoarroz registrou 16.321 visitantes em seus quatro dias de realização (05 a 08 de maio) e mais de 100 estandes de empresas expositoras de todo o Brasil, abrangendo toda a cadeira produtiva.

A expectativa de volume de negócios foi superada. Segundo dados apresentados pelo vice-presidente do Banco de Desenvolvimento do Estado do Rio Grande do Sul (Badesul), Pery Sperotto, foram protocolados R$ 77,6 milhões em solicitações de negócios junto a agência de fomento, com expectativa de crescimento, dado que muitos contatos ainda serão produzidos no decorrer das próximas semanas. “A Expoarroz está se tornando cada vez mais atrativa e trazendo excelentes resultados”, afirmou.

Estes números tornam-se ainda mais positivos quando somados aos provenientes da 5ª Rodada de Negócios, promovida pelo Projeto Comprador Brazilian Rice, encerrado na quarta-feira (06). Foram U$ 7,8 milhões entre negócios fechados e futuros, realizados por 31 empresas apoiadas pelo Projeto Brazilian Rice, que realizaram 115 reuniões de negócios com importadores de diversos países como África do Sul, Estados Unidos, Jordânia, Peru, suíça, Costa Rica, Granada, Emirados Árabes, Peru e Itália. O projeto é fruto de parceria entre a Agência Brasileira de promoção de Exportações e Investimentos (Apex-Brasil) e Associação Brasileira da Indústria do arroz (Abiarroz).

A consolidação da feira é evidente, avalia Rubens Silveira, diretor-técnico, demonstrando também a importância do Estado frente ao mercado latino-americano e mundial. ‘Estamos provando que o produto brasileiro tem diferencial e pode, em cerca de uma década, cativar de 15% a 20% do mercado internacional”, prevê. A feira recebeu também uma das duas reuniões anuais Conmasur (Confederação de Moinhos de Arroz do Mercosul), que reuniu 45 dos 51 representantes das principais industrias de arroz do Mercosul, e que tem na sua presidência o brasileiro Élio Coradini, da Coradini Alimentos, de Bagé.

O ambiente acolhedor e estimulante para o fechamento de negócios e para o estabelecimento de laços comerciais foi o forte da Expoarroz 2015. A quarta edição da feira precisou ter seu horário de encerramento estendido durante todas as noites, pela presença de visitantes que confraternizavam nos mais de 100 estandes. “Conversamos com os expositores, produtores e compradores e todo mundo saiu satisfeito. É um sinal de que os negócios fluíram, inclusive estamos estudando tornar a feira anual, visto que hoje ela acontece a cada dois anos”, afirmou Fernando Estima, que projeta um nível de satisfação dos expositores de mais de 90%.

O vice-governador do Estado do Rio Grande do Sul, José Paulo Dornelles Cairoli, esteve na feira no dia 07 de maio e falou da importância do segmento arrozeiro para a economia do estado.

– Quando começamos a montar nosso governo nos preocupamos muito em dar atenção para esse segmento. Colocamos na diretoria do IRGA pessoas escolhidas pelos produtores, demonstrando uma parceria entre governo e produtores. Nós precisamos reorganizar o IRGA, principalmente nesse setor que tem sido pujante na metade sul. Estivemos presentes na abertura da Expoarroz 2015, com o secretário de Agricultura e agora, com a minha visita, demonstramos a importância que nós do executivo damos a essa área e para esse setor – afirmou.

Fórum Internacional recebeu mais de 4 mil participantes

Além do ambiente de negócios, a Expoarroz teve em sua programação o Fórum Internacional: o Arroz na Segurança Alimentar, que reuniu 4.500 pessoas em debates sobre 12 temas inerentes à cadeia produtiva. Entre os assuntos abordados estão as novas tecnologias para racionalização de custos, perspectivas de exportação para o bloco de produção do Mercosul e a situação da infraestrutura e logística de transporte. Durante o Fórum formou-se um Grupo de Trabalho permanente entre a Federarroz e a Superintendência do Porto de Rio Grande para tratar das melhorias de infraestrutura, armazenamento e logística junto a estrutura portuária, exclusiva para o arroz. Outros eventos paralelos compuseram a quarta edição da Expoarroz, como assembleias de entidades como Federarroz, reunião-almoço, palestras e coquetéis.

Fonte: Assessoria de Imprensa Expoarroz

Compartilhe esse post!