O anúncio do Plano Safra 2015/16, que aconteceria no próximo dia 19, deverá ser adiado. De acordo com o consultor da Frente Parlamentar da Agropecuária (FPA) para a área de Política Agrícola, Célio Porto, as novas informações deverão ser anunciadas na última semana de maio ou na primeira de junho.

O adiamento teria sido em função da visita do primeiro ministro da China, Li Keqiang, ao Brasil na mesma data. Na agenda, estão previstas diversas reuniões da presidente Dilma Rousseff e sua equipe com o premiê e também sua equipe e, entre os principais assuntos, está a retomada das exportações de carne bovina brasileira para a nação asiática. Haverá, inclusive, um encontro das autoridades chinesas com a ministra da Agricultura, Kátia Abreu.

“Caso não fosse adiado, o anúncio conflitaria com essa visita e o governo não queria isso”, explica Porto. O consultor da FPA afirma ainda que a medida desagrada o setor, que sempre tem como demanda uma antecipação dessa divulgação e, neste ano, ainda mais, já que os primeiros problemas começam a aparecer na aquisição de crédito para o financiamento do chamado “pré-custeio” e os ministros, tanto da Fazenda quanto da Agricultura, já anunciaram que as taxas de juros na próxima temporada serão mais altas.

Dessa forma, Porto acredita que entre as consequências do adiamento, a que mais preocupa refere-se a esses prematuros problemas com a aquisição de recursos para o planejamento da próxima safra.

– E isso acontece em dois pontos: de um lado, com uma perspectiva de aumento dos preços, os vendedores querem segurar seus produtos para venderem mais caro, e de outro, há uma antecipação por parte do produtor, que quer adiantar suas compras e evitar esses preços mais altos. Assim, a demora do anúncio sempre é ruim – esclarece.

Fonte: Notícias Agrícolas