O abatedouro móvel para suínos, desenvolvido pela Embrapa Suínos e Aves de Concórdia (SC), unidade descentralizada da empresa de pesquisa agropecuária vinculada ao Ministério da Agricultura, Pecuária e Abastecimento, e Engmaq Máquinas e Equipamentos de Peritiba (SC), com a interveniência da Cidasc e apoio financeiro da Fapesc, já está disponível para compra.

O equipamento, desenvolvido em 2014, foi construído na carroceria de um semirreboque. A estrutura pode ser transportada para um local fixo pré-determinado para o abate de animais e tem os equipamentos necessários para refrigeração e miniprocessamento das carcaças, tratamento dos efluentes, bem-estar animal e segurança dos trabalhadores. A capacidade de abate e refrigeração é de até 80 animais por dia.

Em dezembro do ano passado, o abatedouro móvel passou por uma validação em condições reais de campo, com o abate de suínos no Frigorífico Varpi, em Concórdia (SC), e no Frigorífico Friprando, em Jaborá (SC). O relatório da Cidasc, responsável no estado pela inspeção e fiscalização de estabelecimentos credenciados no SIE e no Sisbi/Suasa, foi por validar o abatedouro com as tecnologias empregadas para suas finalidades.

– O objetivo é que o abatedouro móvel agregue valor aos produtos cárneos, com garantia de segurança alimentar e inspeção sanitária, dando uma solução mais barata para os pequenos produtores, associações e cooperativas que precisam do serviço do abate e oferecendo uma nova opção contra os abates clandestinos – diz o técnico da Embrapa Suínos e Aves Idair Piccinin.

A intenção agora é construir três tipos de abatedouro: um destinado a suínos, bovinos e outros ruminantes; um segundo modelo adaptado a aves e coelhos; e um terceiro para peixes; em parceria com outras Unidades da Embrapa (Caprinos e Ovinos – Sobral/CE, Pesca e Aquicultura – Palmas/TO e Pecuária Sul – Bagé/RS).

Outra característica é a capacidade de customizar o abatedouro móvel. “Podemos dimensionar a estrutura de acordo com a necessidade do cliente. Além disso, utilizamos materiais feitos de aço inoxidável, não contaminante”, diz Daniel Galhart, engenheiro da Engmaq.

A intenção é incluir o abatedouro móvel no programa Mais Alimentos, uma linha de crédito do Pronaf que financia investimentos para a modernização da agricultura familiar e no Finame (Financiamento de Máquinas e Equipamentos), com recursos do BNDES e destinado a empresas de micro e pequeno porte localizadas em qualquer região do país.

Informações sobre o abatedouro móvel para suínos estão disponíveis na Embrapa Suínos e Aves, pelo site www.embrapa.br/fale-conosco/sac ou telefone (49) 3441-0400; ou na Engmaq, pelo [email protected] ou telefone (49) 3453-1632.

Fonte: Embrapa Suínos e Aves

Compartilhe esse post!